• Entrevista na casa de Paulo Freire com Alma Flor Ada
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    Então, eu acho que há o ponto o qual o pesquisador deveria ter explanado, é que se todo tipo de pesquisa tem algo a ver com a educação, a metodologia é participação faz com que o pesquisador use atividades educacionais, ao mesmo tempo, esse tipo de aproximação acaba sendo também que todo tipo de atividade educacional é também pesquisa.
  • Palestra e entrevista com Paulo Freire realizada no CEFOR
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    Do ponto de vista do seu achado e do ponto de vista do seu próprio método a busca joga com dois aspectos que muita gente pensou que poderiam ser tratados, feitos ou vividos de formas diferentes, mas que na verdade não podem ser separados que são: de um lado o aspecto da quantidade e do outro o aspecto da qualidade. Quer dizer, a pesquisa não pode ser apenas quantitativa não pode ser medida apenas estatisticamente, quer dizer, o método quantitativo não satisfaz nem esgota toda a pesquisa toda a curiosidade humana, a curiosidade humana não pode estar submetida a centímetros. Você já imaginou se a gente pudesse se perguntar um dia nas escolas no fim do ano quantos quilos de conhecimento as crianças dessa classe conseguiram, quantos metros de saber no campo da biologia? A professora para medir pegaria uma maquininha para fazer as contas e diria os meninos daqui conseguiram um pouquinho menos que as outras eles conseguiram 22m e 22cm de saber. Minha nossa senhora, não pode. Mas por outro lado a pesquisa envolve também uma certa medição uma certa quantificação, mas o que importa em certo tipo de pesquisa, sobretudo, a qualidade que a pesquisa dá com relação a clareza, por exemplo, com que o grupo e eu agora de propósito não direi o grupo pesquisado, mas o grupo sujeito da própria pesquisa sua revelou.
  • Entrevista na casa de Paulo Freire com Alma Flor Ada
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    Primeiro de tudo, eu acho que nós deveríamos entender que os números, as estatísticas, sozinhos não representam a realidade, em outras palavras, a realidade é algo mais dinâmica, mais vivo, mais contraditório. Eu acho que sendo algo tão dinâmico, realidade mesmo assim, não rejeita numerificação. Realidade não pode aceitar ser transformada em quantificação.
  • Palestra e entrevista com Paulo Freire realizada no CEFOR
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    O que é fundamentalmente pesquisar? O que é também agir? pesquisar é buscar, é procurar, é uma ação, é um agir em que quem procura aprende também ao procurar. Porque veja bem procurar é algo importante e fundamental, por isso procurar implica algo que vai se aprendendo com o processo mesmo de procurar. Quer dizer, procurar implica por exemplo ter uma certa ideia prévia do que se procura. Eu não posso procurar nada, a não ser que o nada vire objeto de minha procura, quer dizer, eu estou procurando o nada para saber o que é que a negação de coisas significa, aí eu posso procurar o nada, mas o que eu não posso é procurar nada. Quer dizer, por isso mesmo que o verbo procurar é um verbo que só se satisfaz quando a ação dele se despeja sobre um certo objeto, que é um objeto da procura. Em segundo lugar, procurar ter ideia do que fazer com o objeto em que se procura, quer dizer, como procurar também implica uma certa clareza em torno de para que eu procuro esta coisa e procurar implica também em aprender a procurar. Quer dizer, aprender a procurar envolve o próprio método de procurar, quer dizer, o agir procurar implica metodologia. Quer dizer implica um certo caminho. De maneira geral a vários caminhos através dos quais você pode procurar e você tem que escolher o caminho que você acha mais conveniente para dar a você o resultado da sua ação de procurar, mas procurar também implica uma certa consciência que vai ficando clara de com quem você procura e também procurar significa a favor de quem você quer acha alguma coisa, portanto, contra quem e a favor de que sonho você está envolvida para procurar. Isso tudo põe muito claro que não é procurar sem conhecer. Quer dizer, o ato da procura, o ato da busca, da pesquisa em si provoca conhecimento e necessita de que quem procura conheça e saiba procurar. Ora, eu acho que essa reflexão inicial deixa muito clara diante de nós que a pesquisa envolve curiosidade.
Parceria:
Desenvolvimento: