• Paulo Freire: o Andarilho da utopia
    Clique aqui para ouvir o áudio completo.

    Agora como é que nós moramos, uma casa que tem um quarto só que é tudo. É banheiro, é sala, é quarto de dormir, é tudo, com os cachorros misturados. Quando nós chegamos em casa às 22:00h da noite, 20h da noite, 19h da noite, os meninos estão endiabrados porque não comeram bem, tão sujos não tem água para tomar banho, porque a gente não tem chuveiro elétrico, a gente não tem água assim a solta em casa, os meninos estão com fome, chateados, cansados, aborrecidos e impertinentes, e nós não podemos deixar de dormir porque no dia seguinte às 04:00h da manhã a fábrica apita para acordar o bairro inteiro. E aí dizia ele, como é que o senhor vai querer que, com uma situação como essa, a gente tem o diálogo que o senhor quer? Quer dizer, ele me fez naquela noite uma análise de classe que eu não tinha sido capaz de fazer.
  • Paulo Freire e Sérgio Guimarães: aprendendo 8- Estados Unidos passagem permanente
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    Eu tive experiências de passar um fim de semana em um gueto em Boston, onde eu era conduzido diariamente com dois ou três deles no carro deles. Passava o dia todinho dentro de uma sala com um grupo de negros, almoçava com eles, sanduíche e coca-cola, dentro da sala e, de noitinha, me levavam de volta para casa onde eu estava, quer dizer, eu não tinha o direito de passar pela rua, a não ser com eles, entende isso? Também foi altamente pedagógico para mim porque eu tive a experiência nítida, concreta, objetiva da maldade, da discriminação.
  • Paulo Freire e Sérgio Guimarães 7- As aventuras do jovem adolescente
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    Essa experiência minha, quando eu fazia essa andarilhagem tímida pelos Estados Unidos, aprendendo essa coisa concreta e óbvia do terceiro mundo no primeiro mundo e o primeiro mundo no terceiro mundo, aprendendo a força da raiva do branco contra o negro, a violência, o desrespeito do corpo; o corpo negro feito e vivido pelo corpo branco, o corpo branco que se decretava a si mesmo como superior geneticamente ao corpo negro se unindo estupefacciado no artigo de Harvard Christian Nalf; um cientista que dizia: eu até que gostaria, mais ou menos isso, eu até que gostaria de dizer que os negros não são inferiores aos brancos, mas a ciência não me permite; eles são geneticamente inferiores. Quer dizer, essa... Eu te confesso, Sérgio, que eu já imaginava essas coisas, mas as durezas de vê-las, pegá-las, de senti-las, de ser sentido por elas foi de uma riqueza enorme para meu aprendizado nos Estados Unidos.
  • Paulo Freire e Sérgio Guimarães: aprendendo 8- Estados Unidos passagem permanente
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    É preciso estabelecer, superar essa posição ingênua da qual eu também fiz parte, de que tudo nos Estados Unidos seria ruim, e não é, não é verdade. Nada é totalmente ruim ou totalmente bom; quer dizer que você tem na democracia norte-americana uma série de coisas altamente positivas; agora, o que eu acho é que o que há de positivo na experiência democrática não é suficiente para que alguns norte-americanos pensem de si como pedagogos da liberdade do mundo. No meu entender, a sociedade americana tem muito que andar, tem muito que pensar, tem muito que refazer para poder pensar que é tão democrática quanto ela pensa que é.
  • Aprendendo Paulo Freire e Sérgio Guimarães 4- Uma pedagogia da boniteza; do ético
    Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

    A minha passagem por Harvard queira tenha sido uma passagem gratificante por n razões: primeiro, pela minha experiência com esse mundo altamente tecnológico, misterioso, que é a sociedade norte-americana… a minha experiência com a discriminação, que eu nunca tinha vivido com tanta… que eu nunca tinha visto com tanta intensidade, a discriminação no Brasil existe nos somos uma sociedade racista, machista, autoritária, mas para mim pelo fato de que o capitalismo não deu certo, e espero que não tenha dado certo ainda mas sim de que não de certo nunca , oque acontece é que a quantidade dos negros brasileiros está fustigando o medo dos brancos, a coocorreria em empregos é muito pequena ainda, e por que é pequena? então é porque os brancos são racistas numerosos.
Parceria:
Desenvolvimento: